Escolha uma Página

Cinema | 5 motivos para você ir correndo assistir La La Land

Longa-metragem bateu recorde com 14 indicações ao Oscar 2017.

Por Renan Pereyra

Nas últimas semanas só tem se falado em La La Land: Cantando Estações (2016), filme dirigido por Damien Chazelle e que acaba de receber 14 indicações ao Oscar 2017, igualando o recorde histórico de Titanic (1997) e A Malvada (1950). Mas… o que é que o longa-metragem tem de tão especial assim? Tentamos responder em 5 tópicos abaixo, que devem fazer com que você corra para o cinema mais próximo assim que possível, caso já não o tenha feito. Confira!

—————————————————————————————————————————————-

A Persistência de um Roteiro Original

Damien Chazelle, cineasta e músico de 32 anos, foi também o roteirista e diretor do brilhante Whiplash (2014), que teve cinco indicações ao Oscar, em 2015. O que pouca gente sabe é que Chazelle escreveu La La Land em 2010, antes do próprio Whiplash, mas não conseguiu tirar o projeto do papel devido à falta apoio ao roteiro, considerado “pouco comercial” pelos estúdios. Sim, o fato do cineasta apostar em um musical originalmente contemporâneo, e sem canções familiares, não agradou nada à indústria cinematográfica a priori. Na época, a produtora Focus Features chegou a oferecer um milhão de dólares para rodar o longa-metragem, desde que algumas alterações fossem feitas no script: em vez de pianista de jazz, o protagonista se tornaria um músico de rock (clichê), o tema de abertura deveria ser menos complicado e o final (que cá entre nós é a melhor parte do filme) teria de ser descartado. No entanto, Chazelle não concordou com as exigências (ufa!) e desistiu de firmar o contrato. Foi somente após o sucesso de Whiplash que o diretor assinou com a Summit Entertainment, que agora não tinha mais nenhum motivo para desconfiar da capacidade do jovem cineasta.

As Atuações & a Trama

Não é à toa que o musical disputará as estatuetas também na categoria Melhor Ator e Melhor Atriz. Interpretando Mia e Sebastian, Emma Stone e Ryan Gosling dão um show à parte em La La Land (seja pelas atuações isoladas ou pela perfeita combinação como casal). Mas vale lembrar que essa sintonia não vem de agora, já que Emma e Ryan contracenaram em outras duas ocasiões: Amor a Toda Prova (2011) e Caça aos Gângsteres (2013). Em La La Land, Mia é uma aspirante a atriz e conhece Sebastian (pianista de jazz que é obrigado a sobreviver tocando em pubs que desvalorizam o seu talento) por acaso. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva Los Angeles, os jovens tentam fazer o relacionamento dar certo enquanto perseguem o sucesso. E é a partir daí que a trama se desenvolve de forma simples e genial. Um verdadeiro embate sobre a complexão decisão de viver dos nossos sonhos ou ceder às pressões cotidianas e se contentar com uma existência medíocre. Qualquer semelhança com a própria jornada de Chazelle, agora rumo ao estrelato, é mera coincidência. Ou não.

Trilha e Fotografia

Beleza é uma palavra que define La La Land do início ao fim, seja visualmente falando ou pela sua bela trilha-sonora. Como é de costume nos musicais, todas as cenas são brilhantes, em uma representação pouca óbvia de Los Angeles, com cenário, iluminação e coreografias marcantes. Apesar do gênero, os atos musicais são mínimos, o que acaba dando uma dinâmica bem legal ao filme. A trilha composta por Justin Hurwitz dá o toque especial ao longa. É o caso de “City Of Stars”, música bastante usada em sua divulgação.

Referências Históricas

Você pode até achar que é papo de gente cult, mas não dá pra passar despercebido pelas diversas referências históricas de La La Land – uma espécie de homenagem ao cinema clássico de Hollywood. De acordo com Chazelle, o filme foi inspirado em outros musicais que prestaram homenagens a metrópoles, como Manhatta (1921) e O Homem da Câmera (1929), mas é impossível também não se lembrar de obras-primas como Cantando na Chuva (1952) e Amor Sublime Amor (1961). Vale dizer ainda que as gravações aconteceram nos mesmos estúdios onde foram filmados o próprio Cantando na Chuva e o clássico O Mágico de Oz (1939).

As Indicações ao Oscar

Se nada disso foi o suficiente pra te convencer, aqui vai nossa última tentativa. Como já dissemos anteriormente, La La Land atingiu uma marca histórica ao receber 14 indicações em 13 categorias ao Oscar (que terá sua cerimônia realizada no dia 26 de fevereiro, Los Angeles). São elas: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Roteiro Original, Melhor Direção de Fotografia, Melhor Direção de Arte, Melhor Montagem, Melhor Mixagem de Som, Melhor Edição de Som, Melhor Figurino, Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção Original (com 2 indicações). Pouca coisa?

Confira o trailer de La La Land abaixo.

Diga algo! Adoramos saber a sua opinião.

Pin It on Pinterest